segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Atualização do Patrimônio Financeiro - Fevereiro de 2017: R$ 68.744,01

Olá Senhores (as),

Abaixo segue o fechamento de fevereiro. Foi um mês de aporte alto em comparação ao normal devido ao recebimento de férias e adiantamento de uma parte do 13º. A partir de março os aportes voltarão ao normal.

Saldo Anterior: R$ 53.758,61
Aporte Anterior: R$ 14.121,61

Patrimônio liquido: R$ 68.744,01
Aporte em Ações: R$ 7.992,00
Aportes em FII: R$ 3.949,00
Aporte Total: R$ 11.941,00


A tabela como falei no fechamento anterior foi reajustada devido estar difícil para preencher. Então, eu peguei os dados de 2016 e juntei tudo em janeiro de 2017.

Este ano está começando muito bom para mim, pois meus aportes estão acima do esperado e pelo meus planos os 100k estão logo ali e eu irei atingir antes do planejado. Em junho espero receber uma mixaria do FGTS e aumentar o meu patrimônio. 

Abraços,
Cowboy Investidor
Leia Mais ››

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

As maiores besteira que ouvimos sobre ações

Este post é baseado no livro "O Jeito Peter Lynch de Investir". Fiz um resumo de algumas coisas que ouvimos sobre ações.


A seguir são listadas algumas bobagem que as pessoas falam sobre ações.

Se o preço já caiu esse tanto, ele não poderá cair mais

Essa frase é muita falada, Quem investe ou não já ouviu falar da OGX, pois é. Eu lembro que as ações dessa empresa estavam nas alturas, mas com a quebradeira as ações começaram a despencar, ficaram valendo centavos.  Muita gente perdeu muito dinheiro, e a frase dita não é verdade, é apenas uma bobagem.

Você sempre pode dizer quando uma ação atingiu o mínimo

Muitas pessoas fica tentando descobrir o preço mais baixo de uma ação. Ninguém é capaz de prever o preço mínimo de uma ação.

Se ela já subiu tanto, como pode subir mais?

Você deve verificar os fundamentos da empresa, se a empresa continua boa e os lucros continuam contantes. Não há o porquê de vender uma ação se a empresa é boa.

É apenas uma ação de R$ 1,00, o que posso perder?

Uma ação comprada a um R$1,00 ou a R$50,00, caso ela chegue a zero você perderá do mesmo jeito. Se você investiu R$5.000,00 o preço vai ser igual para ambas, o que muda é quantidade de ações que sua carteira vai ter. Não pense que uma ação que vale R$1,00 está barata só pelo preço, você tem que analisar a empresa.

Elas sempre se recuperam 

Muitas pessoas ficam afirmando que tal empresa ficou ruim e que ela ira recuperar e isso é um erro. Algumas empresas até que voltam a ser boas, mas a maioria pedem falência ou são compradas por outras por valores baixíssimos. A melhor coisa a fazer é sair da empresa e aceitar a perda do dinheiro.

Quando ela se recuperar para R$ 10,00, eu venderei

Essa é uma frase que muitos falam e isso pode levar  anos para essa empresa voltar a esse valor que você estipulou ou pode cair mais ainda e nunca chegar a esse valor de R$ 10,00 que você estipulou. Enquanto isso você está tolerando um investimento que não gosta e que está aguentando isso só por que você impôs esse valor que quer receber por ela.


Veja todo o dinheiro que perdi por ter deixado de comprar

Muitas pessoas estariam ricas atualmente se tivesse comprado ações há alguns anos quando estaria valendo centavos por ações e hoje estão com preços de R$50,00 ou mais. Quanto mais ações descobrimos, mais percebemos que "perdemos", e logo vamos nos culpar por perdas de milhões. 
A pior parte de pensar nessa frase é dela induzir as pessoas tentar comprar ações que não deveriam, apenas para não evitar "perdas", o que acaba geralmente resultando em perdas reais.


Perdi aquela ação, mas comprarei na próxima

O problema é que a próxima raramente vai acontecer. Se você perdeu uma grande empresa que a ação continuou subindo, e então comprou uma empresa cuja ação caiu, você aumentou o seu erro. Na verdade, você identificou um erro que não lhe custou nada, pois você não perdeu nada ao deixar de comprar ações da empresa que subiu, mas o transformou em um erro que custou caro ao comprar uma empresa ruim cuja ações caíram. Na maioria das vezes é melhor comprar ações de boas empresas a encontrar uma pechincha. 

Abraços,
Cowboy Investidor
Leia Mais ››

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Para que você quer 1 milhão?

Para que você quer um 1 milhão de reais? Você nem gasta dinheiro. Isso é o que ouço várias vezes no meu trabalho. Muitos colegas ficam enchendo o meu saco. Eles preocupam demais com a minha vida. O que mais ouço é: Ah! Cowboy, você nem gastou o primeiro salário que recebeu. Falam isso porque um dia eu falei que vou ficar rico e sair do meu emprego. Hoje fico calado, só ouço as piadinhas.


O que eu percebo é que eles torram o salário todo e quer que eu faça o mesmo. Povo mais idiota. Querem impor coisas que eu não gosto, como ficar indo a bares, gastar com baladas, etc. São reféns do trabalho, inclusive eu, mas pelo menos estou fazendo uma coisa para eu deixar de ser escravo. Já eles ficam reclamando do governo, da futura reforma da previdência, mas não procuram em poupar, mas sim em gastar. São como alguns colegas de blogs falam: "são uns chimpanzés". 

De uma grande quantidade de colegas que tenho, apenas três estão investindo, comentamos sobre investimentos no trabalho e os outros estão ouvindo. Eu vou parar de comentar essas coisas lá, acho melhor ficar calado, pois vejo que muitos ficam incomodados com isso. Querem puxar nós para a matrix que eles estão.  Eu sei que a melhor coisa é fazer as coisas no calado, pois sempre vão ter pessoas que vão querer te derrubar. Claro que eu não importo mais com o que eles falam. 

A conclusão que eu tiro disso é que devemos ficar calado, não ficar abrindo o que você faz para ninguém. Sei que todos sabem que ficar espalhando o que você faz não é bom, mas poucos põem isso em prática. Muitos vão fazer piadinhas, por você para baixo, mas temos que seguir em frente, isso acontece comigo devido a eu levar uma vida mais simples e ter comentado sobre ficar rico há alguns anos. Acredito que isso também acontece com você que está procurando novos ares.

Abraços,
Cowboy Investidor
Leia Mais ››

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Os 5 países mais amigáveis com o Bitcoin


Muitos países desenvolvidos financeiramente são amigáveis em relação ao bitcoin, a moeda digital peer-to-peer (P2P) que foi desenvolvida na sequência da crise financeira de 2008. A eliminação de bancos e outras instituições financeiras como intermediários é um ponto importante para os usuários, pois tem o potencial de reduzir drasticamente os custos de transação, permitindo pagamentos praticamente instantâneos. Objeções de países que não permitem bitcoin, ou que restringem acentuadamente seu uso, foco no anonimato das transações. O fato de o bitcoin ter sido associado tanto ao tráfico de drogas como ao financiamento do terrorismo fazem com que muitos países, e especialmente a União Europeia, considerem uma forte restrição dos regulamentos.
Bitcoin, como outras chamadas cripto-moedas, funciona fora do âmbito dos bancos centrais, que procuram dirigir economias aumentando ou diminuindo a quantidade de moeda em circulação e levantando ou abaixando taxas de interesse. Será interessante ver o impacto, se é que algum, bitcoin tem sobre as reações dos bancos centrais quando a próxima crise financeira acontecer.

Os EUA

Os Estados Unidos são indiscutivelmente o país mais amigo do bitcoin no mundo, com a moeda aceita por ambas as grandes empresas, como Dish Network e um número crescente de pequenas empresas. Os primeiros regulamentos foram emitidos pelo Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN) em março de 2013, colocando trocadores de moeda digitais e processadores sob a Lei do Sigilo Bancário, definindo-os como empresas de serviços monetários. Isso significa que as empresas devem cumprir uma série de requisitos de registro e manutenção de registros compatíveis com outras instituições financeiras.
A Securities and Exchange Commission (SEC) emitiu avisos de investimento que alertam para a natureza arriscada de investir no bitcoin. O Internal Revenue Service (IRS) trata como propriedade em vez moeda para fins fiscais.

Canadá

Bitcoin é levemente regulamentado no Canadá, e o Senado canadense recomendou que permaneça assim. No entanto, com a entrada em funções do novo governo liberal, resta saber se isso poderá mudar. A popularidade da moeda no país tem sido desigual. O primeiro ATM bitcoin (caixa eletrônico) foi instalado em Vancouver em outubro de 2013, permitindo que as pessoas troquem entre dólares canadenses e bitcoin. Mas, em 2015, duas grandes bolsas ficaram fora do negócio. Seguiu-se o anúncio de que um dos maiores fundos de pensão do país, o Sistema de Aposentadoria dos Funcionários Municipais de Ontário, estava considerando fazer investimentos em negócios de bitcoin e de startup relacionados.

Austrália

Austrália tem sido muito amigável para bitcoin e não tem quaisquer restrições significativas sobre a sua utilização. Mas em setembro de 2015, os bancos locais fecharam as contas de 13 dos 17 intercâmbios que operam no país, devido a preocupações com links para atividades ilegais; esta medida não foi exigida pela agência australiana contra a lavagem de dinheiro, mas foi iniciada pelos próprios bancos. Os fechamentos tornam muito mais difícil movimentar dinheiro entre o dólar australiano e bitcoin. Isso tem causado a sua popularidade entre as empresas dominantes, especialmente varejistas, a diminuir acentuadamente.

União Européia

Bitcoin tem sido relativamente livre de regulamentação na União Europeia e recebeu um grande impulso a partir de uma decisão judicial outubro 2015 que isenta as operações com a moeda digital do imposto sobre o valor acrescentado (IVA). Isso coloca o Bitcoin em linha com as transações em outras moedas. No entanto, após os atentados terroristas de 13 de novembro de 2015 em Paris, houve pedidos generalizados de uma repressão às formas anônimas de pagamento. Isso inclui Bitcoin, outras moedas digitais e cartões de débito pré-pagos.

Japão

O Japão tem sido muito hospitaleiro para bitcoin e tem sido objeto de regulamentação mínima. No entanto, em fevereiro 2014 a Mt. Empresa Gox (empresa de troca de bitcoin) suspendeu a negociação, fechou seu serviço de site e de câmbio, e arquivadas para uma forma de proteção contra falência de credores. Isso levou o Japão a aprovar uma medida para classificar a moeda como mercadoria e não como divisa.
Em 2016 foi criado um projeto de lei que define moedas virtuais como bitcoin para ter valores de ativos, legalmente permitido para ser usado em fazer pagamentos e um ativo que pode ser transferido digitalmente.
O projeto de lei é essencialmente uma revisão legislativa para a lei de liquidação de fundos que, originalmente, não reconhece bitcoin e moedas digitais como equivalentes às moedas convencionais.

Abraços,
Cowboy Investidor
Leia Mais ››